Como Desmontar o Alternador de Fusca

Muitas pessoas sonham em ter o seu próprio meio de locomoção. Isso se dá por conta da facilidade e mobilidade que ter um automóvel próprio proporciona. Os desejos por trás disso também são inúmeros, como o adeus à dependência do transporte público, bem como um certo “status” que um carro causa a uma pessoa.

No entanto, devemos lembrar que muitas pessoas não conseguem comprar um carro moderno, “do ano”, haja vista os preços exorbitantes de tais bens no Brasil. Os chamados “carros populares” são os que mais fazem sucesso por aqui, já que, geralmente, o custo de manutenção é baixo, aliado a também tais carros serem bastante econômicos no quesito combustível.

Um desses carros populares é justamente o Fusca. O modelinho, que era fabricado pela Volkswagen, apesar de já ter saído de linha há muito tempo, ainda hoje é bastante lembrado e cultuado entre as pessoas, por ser um modelo simples, relativamente forte e também pelo seu design único.  Um dos seus apelidos mais conhecidos é “besouro”, pois seu formato é muito similar ao inseto.

Como já dito, o Fusca é um modelo que já saiu de linha, e que, apesar da sua idade avançada, muitas pessoas ainda investem em exemplares do modelo. E, um dos problemas da idade de vários desses carros é, justamente, a dificuldade em se realizar a manutenção desses modelos. No nosso artigo de hoje, você vai conferir como desmontar o alternador do fusca, uma peça muito importante para o seu funcionamento. Além disso, vai conhecer algumas curiosidades bem interessantes sobre o modelo. Vamos lá?

O Fusca, ou “Fusquinha”

A história do fusca é uma das histórias mais emocionantes e interessantes de se acompanhar. Isso porque, a duração de produção do carro é uma das maiores de todo o planeta: Ao total, ele ficou na linha de produção por 65 anos, durante o período de 1938-2003.

É possível dizer também que a história do simpático carrinho se confunde quase que totalmente com o governo nazista de Adolf Hitler. Isso porque o ditador foi um dos cabeças idealizadoras do Fusca.

“Como assim?” você deve estar pensando. Bem, para ser ainda mais exato, foi das mãos do governo de Hitler que não somente surgiu o fusca, mas também, uma das maiores companhias automobilísticas da atualidade: a Volkswagen.

A ideia do surgimento do fusca se deu numa época em que a Alemanha era uma das nações europeias menos motorizadas, e que também enfrentava uma severa recessão. Uma das ideias da cúpula do poder Hitler era o investimento no setor automobilístico, que pudesse oferecer à populações uma opção de baixo custo mas, que ao mesmo tempo, fosse forte e resistente. Vale lembrar que, na época, a Alemanha só dispunha da produção manual de carros de luxo, o que, como era de se imaginar, um processo muito lento e caro.

E, dessa pesquisa e planejamento, saiu um automóvel que estava nos conformes: o Fusca. Com o projeto em mãos, o governo alemão apresentou à sociedade o projeto do novo carro, e, para incentivar o povo a comprar, criou uma espécie de consórcio, o que fidelizou cerca de 175 mil alemães num primeiro momento.

É válido mencionar também que o projeto do fusca em sua totalidade teve uma profunda influência na Segunda Guerra Mundial, que eclodiu apenas um ano depois do início da produção do Fusca. Isso porque, aproveitando que o projeto do carro também havia sido pensado para usos militares, vários veículos tendo o fusca como base saíram das fábricas da Volks, auxiliando o governo alemão na época.

Os modelos do fusca variaram durante os anos, mas sempre mantiveram os traços que o marcaram para sempre como sendo um dos carrinhos preferidos das pessoas. As mudanças mais bruscas que ocorreram, talvez, fossem os formatos dos faróis e os itens da parte interna do carro. Mas alguns desses itens, como a alça que está presente no lado direito e esquerdo interno do carro, que serve para que as pessoas de trás possam se apoiar para deixar o automóvel permaneceram em todas as suas versões, inclusive nas mais novas, para dar aquele charme e, ao mesmo tempo, um ar retrô.

Depois do relativo sucesso do modelo na Alemanha, e, obviamente, do fim da Segunda Guerra, o modelo começou a ser exportado e fabricado em outros países, inclusive no Brasil. Por aqui, o modelo fez muito sucesso, tendo sido produzido em dois períodos: Um, que foi 1959 a 1986, e outro que foi de 1993 a 1996.

Um adendo ao período de fabricação no Brasil entre 1993 a 1996, foi que o pedido para o retorno da produção do Fusca se deu após o pedido do então presidente da república Itamar Franco, que desejava o retorno de carros “populares”, com preços mais acessíveis. No entanto, a produção não teve o sucesso esperado, tendo sido encerrado rapidamente. Um dos problemas nessa nova versão foi a de que os preços não foram tão baixos como o esperado.

Hoje, o Fusca empresta o nome a um modelo dotado de muita tecnologia, mas mantendo traços que facilitam a sua inspiração no modelo anterior.

Como Desmontar o Alternador de Fusca

Antes de verificar se o seu alternador está com problemas, veja se ele não está carregando enquanto o carro estiver na marcha lenta. Se isso não ocorrer, significa que a marcha lenta está baixa demais, o que pode impedir o alternador de fazer o seu trabalho.

Para poder retirar o alternador do seu lugar, retire a capa de ventoinha (ou capela) que é fixada por meio de parafusos. No Fusca, para se ter acesso ao alternador, é necessária a retirada da tampa do motor, no qual necessita-se desligar a iluminação da placa.  Como pode-se perceber, o método de retirada do alternador varia de carro para carro.

Depois de retirada a capa de ventoinha, retire os parafusos que fixam o alternador e pronto, estará com ele em mãos. Depois disso, retire a correia e possíveis fios que estejam ligados no alternador.

No vídeo a seguir, está contida um tutorial para aprender a desmontar com cuidado um alternador, para poder retirar e substituir peças defeituosas. Vale a pena conferir, pois é bastante explicativo:

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Curiosidades

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *